Você entra em casa e logo percebe a aproximação de um serzinho que caminha sem alarde. Com o rabinho em pé e emitindo um gemido quase infantil, ele se comunica enquanto roça o corpo em suas pernas. Você o alimenta, limpa o banheiro dele, brinca. Em pouco tempo, você não poderia estar mais feliz apenas por acariciar a barriguinha e ouvir o ronron.

Quem tem ou já teve gato conhece bem essa intensa felicidade, que está fazendo muita gente mudar de carreira e de vida só para ficar mais tempo perto deles. São cada vez mais comuns os relatos de pessoas que se dedicavam a atividades convencionais e agora são vistas cuidando de gatinhos por aí. Tornaram-se catsitters, termo em inglês que pode ser traduzido como babá de gato, profissão da moda em Porto Alegre e também em algumas cidades do interior.

A função, na verdade, já existia – quem nunca teve uma amiga que pediu uma força para tomar conta de seus bichanos enquanto viajava? Lá ia a alma caridosa, dava comida, limpava a caixa de areia e, de brinde, passava bons momentos com os gatinhos. Agora, é o mesmo: o catsitter é contratado para ir até a casa do cliente cuidar dos gatos. A única diferença é que se paga pelo serviço.